quarta-feira, 9 de julho de 2008

As belas e as Feras

As belas crianças de sorriso fácil se opõe as feras de coração duro, cravejados com espinhos que não deixam brotar sentimento algum. As belas meninas que sonhavam em ser bailarinas, atrizes, pintoras ou modelos foram banidas desses sonhos pelas feras dispostas a destruí-las em segundos, e já não podem lutar para torná-los realidade. Os belos meninos que sonhavam em ser cowboys, motoqueiros, médicos ou bombeiros já não podem mais dar pulos e correr fingindo serem o que querem, porque as feras do mal entraram em ação antes que eles pudessem atingir o ápice da brincadeira. A beleza da pureza fora destruída pela maldade feroz. E o que fazer quando crianças desaparecem a todo momento, quando são toturadas, escravizadas, exploradas, abandonadas, jogadas, largadas, arrastadas, espancadas? Cada criança tem uma estrela dentro de si. É ela que mostra pro mundo o brilho da inocência. Porque quando se é criança, a maldade ainda não existe. A maldade é implantada dentro de nós. Cada criança trás consigo, um brilho, que só a morte apaga.Nosso céu , perde uma estrela a cada dia. Perdemos Isabella, perdemos João Hélio, perdemos Madeleine. E quando nós perdemos essas estrelas, são elas que ganham força, e se tornam anjos e embora continuem no céu, já não trazem consigo aquele imenso brilho. O que fica aqui são apenas as lembraças daquilo que já brilhou. A estrela, agora anjos, têm luz própria e não pode ser vista por qualquer um. Essa luz a maldade não enxerga. Agora, livre de toda maldade que existe aqui, de onde apenas vemos o céu, eles vivem olhando pela bondade. E graças a essa guarda desses anjos é que a bondade vencerá. O mal vai, passa, acaba. O bem, supera, vence e brilha, igual aquelas estrelas que agora são anjos.

Texto para o 'Tudo de Blog' da Capricho ;*

Nenhum comentário:

Postar um comentário