quarta-feira, 9 de julho de 2008

Sem internet? Nunca !

Eu nunca penso no pior. Mas, como eu sempre sou uma contradição, resolvi pensar como seria minha vida, se um dia a Internet acabar. Ok, talvez você aí do outro lado seja um daqueles, cada vez mais extintos, que vai dizer 'nossa, a minha vida seria tão normal, que nem paro pra pensar', e vai achar mais interessante refletir na sua vida sem qualquer outra coisa. No entanto, eu e a grande maioria dos usuários da conexão, entraria em desespero total. Primeiro porque qualquer mudança drástica é dificil. Desacostumar com a vida fácil e a praticidade que a internet nos proporciona é infinitamente mais difícil. Só de imaginar, chego a ter calafrios, e não é exagero. Seria o fim dos emails com minha tia nos EUA, seria o fim das informações do BBB em primeira mão, seria o fim do orkut (incluindo depoimentos, scraps, albúms, amigos e etc.), seria o fim do TUDO DE BLOG. Não, eu não saberia viver sem a puxação de saco da minha titia, nem sem notícias de quem venceu a prova de resistência do líder, nem sem 'ter' que entrar no orkut todo dia pra ver se aquela pessoa me respondeu, ou saber se tem um depoimento fofo de alguém, ou saber de alguma novidade, nem sem receber os emails periodicos da nath e enviar emails pra ela perguntando mil coisas. Saindo um pouquinho do universo da futilidade, a internet é essencial na vida de muitas pessoas, inclusive na minha. Em questões de segundos você tem acesso à milhões de informações, úteis e inúteis, bem ali na sua frente exibidas em um monitor de 15 ou 17 polegadas. Eu estudo pela internet, principalmete física e geografia, matérias que eu amo de paixão (professores, se incluam nessa ironia) e preciso ter o conteúdo mais resumido, mais óbivio, mais simples para que eu possa traduzir o que está no meu caderno. Sem esse auxílio, eu já teria tomado duas bombas e estaria prestes a tomar a primeira recuperação do ano. Eu uso a internet também para me informar. Ano que vem eu faço vestibular e apesar de assinar um Jornal e uma Revista de circulação nacional, a internet me fornece as mesmas notícias com palavras mais simples, principalmente quando se trata de política e economia que tem o vocabulário muitíssimo específico e que apenas entendem pessoas formadas no ramo, superdotados e quem as escreve. Só dessa forma eu consigo entender os gráficos, as expressões e até as manchetes. E eu não vou citar os filmes, seriados, documentários, músicas, clipes, fofocas, fotos, receitas, charges, quadrinhos, compras e videos porque eu não preciso de dizer que eu também uso a internet para me divertir, certo?É difícil anilizar um 'talvez'. Se a internet acabasse, porque o mesmo homem que inventou a bomba atômica, a energia nuclear, a televisão, a escrita, e tinta de cabelo, o chiclete e os transgênicos, não inventaria algo para substituir (ou até mesmo melhor) que a internet logo após sua extinção? Melhor não pensar no pior.

Texto para o 'Tudo de Blog' da Capricho. :*

Nenhum comentário:

Postar um comentário